h1

Be quiet? Be yourself!

02/09/2009

Hoje acordei sem assunto e talvez continue o resto do dia sem assunto.

Por causa disso, andei pensando em algumas coisas…

Quantas vezes temos a famosa “oportunidade de ficarmos quietos” e não aproveitamos? Eu sou daquelas pessoas que falam pelos cotovelos. Juro que não sei como meus amigos me aguentam! Sou uma matraca. É divertido quando você tem algo de útil para dizer, alguma piadinha na hora certa para descontrair o ambiente ou assunto de sobra para puxar com pessoas que tem dificuldade para isso.

Ok. Mas perdi as contas de quantas vezes me dei um tapa na testa e pensei: “Que merda, por que não calei a boca?”

Nem todo mundo gosta de pessoas comunicativas, engraçadinhas, transparentes demais e que dizem tudo o que lhes vem à cabeça. E putz, eu sou esse tipo de pessoa e, por mais que eu tente evitar, as palavras e as piadinhas saem. Às vezes desejo ter calado a boca e em outras vezes descarrego a consciência pensando que “pelo menos desabafei”.

Há dias em que eu acordo pensando: “Hoje ficarei quietinha, serei uma pessoa mais séria, só falarei o necessário e só darei opinião se me pedirem”. Ok, eu consigo. Por 20 minutos.

Quando vejo que isso não é pra mim, ligo o foda-se e entro naquelas do “BE YOURSELF” e continuo com o Beatriz lifestyle, é mais saudável.

Hoje recebi e-mails das minhas amigas contando as “fofoquinhas do dia anterior”, essas coisas de menina adolescente, hehehe. Uma delas perguntou: “Por que quando estamos de paixonite por alguém, falta assunto com a pessoa? É medo de falar merda?”

Sei lá. Essa obsessão por parecermos interessantes, desejáveis, inteligentes, sérias e misteriosas…Homem gosta mesmo disso ou o negócio deles é o design exterior? Quando não temos interesses/paixonites por alguém, nos importamos bem menos com o que a pessoa vai pensar, como ela vai reagir às palavras, não fazemos questão de agradar e/ou impressionar e nem mexemos no cabelo compulsivamente! Isso é fato.

A análise de uma pessoa com paixonites vai muito além da falta de assunto. Tudo muda, é uma desgraça. A pessoa reza pra ninguém perceber que ela está desconfortável full time.

Porém, a hora que ela desencana de parecer interessante, faz um coque, fala de assuntos espontâneos e de que REALMENTE entende, assume suas esquisitisses e não se preocupa em falar de boca cheia, acho que as coisas fluem melhor.

Talvez, essa coisa de BE YOURSELF funcione mesmo.

Mas, por experiência própria:  Tenha senso do ridículo e não use adjetivos no superlativo. Pense trinta vezes antes de falar de sentimentos e PRINCIPALMENTE de vontades. São os assuntos que mais levam ao arrependimento. Isso é sério. Jamais use a desculpa que você estava bêbado, não cola mais.

Esse é um post em que não estou conseguindo encontrar uma conclusão. Talvez nem exista uma conclusão…

Não falei que eu estava sem assunto? Perdi a oportundiade de ficar quieta de novo e vim aqui escrever um monte de bullshits!  Mas, como eu disse no primeiro post, é algo que considero como um desabafo piegas da alma, hahahaha!

Be weird.

Weirdo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: