Posts Tagged ‘cbs’

h1

Séries Addict! (Parte II – IV)

09/08/2010

LEIA A PARTE I – IV

Continuação…

  • Jericho (significa: o nome de uma cidade americana do Kansas)

Fico até triste de escrever sobre Jericho :(

Foi uma das melhores séries que assisti desse gênero, mas foi cancelada no final da primeira temporada! Os fãs reclamaram tanto que a CBS, emissora que exibia a série, resolveu dar mais 7 episodiozinhos de cortesia.

Jericho foi intrigante, só não teve um final decente por causa desse favorzinho estúpido da CBS de cancelá-a. Triste.

Mas, resumindo, Jericho conta a história de uma cidade americana do Kansas que ficou isolada do resto do país depois de ter ‘recebido’ uma nuvem cinzenta, parecida com a de uma explosão nuclear, em seu território.

Os habitantes de Jericho, sem telefone, rádio, televisão ou qualquer outro meio de comunicação com o resto do mundo, ficam meses sem saber se são as únicas pessoas com vida, sofrem ataques externos e conflitos internos na cidade.

Com tanta confusão, a cidade fica mal administrada depois da morte do prefeito e correm o risco de serem submetidos a um novo tipo de governo, que possui até bandeira: a mesma dos Estados Unidos, porém, de cabeça para baixo.

Os mistérios e a ação da série e o modo como os habitantes tem que lidar com uma situação desconhecida são intrigantes. É realmente “brochante” ter que se contentar com uma temporada e meia de uma série que tinha tudo para ser sucesso total.

Que raiva da CBS! Mas mesmo assim… assistam! Jake Green é o cara!

  • The Fresh Prince of Bel-Air (significa: O ‘novo’ príncipe de Bel-Air – bairro nobre em Los Angeles, nos EUA -, mas ganhou uma tradução infame no Brasil para ‘Um maluco no pedaço’. Ok, né)

Essa série é antigona! Foi exibida de 1990 a 1996, mas suas reprises ainda são exibidas diariamente na Warner.

Sou MUITO fã do Will Smith e agradeço muito a essa série por ter lançado esse cara em Hollywood. O mais legal é que no seriado ele faz o papel do próprio Will Smith, um cara que nasceu e sempre morou num bairro pobre da Filadélfia e seu mudou para a casa dos tios em Bel-Air.

Will, com seu jeito ‘malanders’, jogador de basquete e todo cheio de marra, é totalmente o oposto dos primos mauricinhos (destaque para o Carlton e suas ÉPICAS dancinhas com a música ‘It’s Not Usual’ do Tom Jones)! A série trata de forma divertida questões raciais extremamente presentes na sociedade norte-americana (Obama ainda nem sonhava em ser presidente, minha gente) e também tem sacanas excelentes. Morro de rir! Recomendo muito!

Ah, é outra série que consigo assistir os episódios picados… coisa rara!

  • Lie To Me (significa: Minta pra mim. Simples, direto e objetivo. É isso aí)

Cal Lightman é o cara. Imagina você poder olhar para as pessoas em QUALQUER situação e saber se elas estão mentindo ou não? Saber fazer as perguntas certas para encontrar a verdade?

Viajei horrores assistindo a esse seriado! Me imaginei em diversas situações do meu passado podendo usufruir deste “poder”! Meus ex-namorados estariam ferrados, hehehehe!

Na maioria dos episódios da primeira temporada (a única que assisti inteira por enquanto), Cal trabalha com sua equipe (Gillian Foster, seu braço direito, Ria TorresEli Loker) na The Lightman Group, uma empresa que terceiriza serviços até para o FBI. Entre os casos policiais, existem uns bem bizarros de casais e questões pessoais dos personagens principais (esses dois últimos tipos são os que eu mais gosto, os casos do FBI acabam cansando.

Tô achando o meio da 2ª temporada meio chatinho, tenho até preguiça de assistir. Mas acho que é porque acabei viciando em outras séries e deixando Lie To Me de lado. Senti que depois de um tmepo, os episódios acabam ficando mais previsíveis e meio “forçados”. No começo você quase se convence que esse dom aí existe mesmo. Mas sei lá…

De qualquer forma, recomendo bastante :)

CONTINUA ;)

Anúncios
h1

Séries Addict! (Parte I – IV)

05/08/2010

Estou escrevendo essa introdução depois de terminar os posts a seguir que demorei uns 3 dias para concluir.

Escrevi sobre um assunto que eu realmente gosto e que sou totalmente viciada e dependente! Hahaha!

Já vou avisando que não tem nada demais, só meu simples ponto de vista sobre as séries que eu assisto, breves resumos quando achei necessário, personagens e determinadas cenas comentadas e algumas filosofadas de boteco para parecer um post sério.

Ah, e é bom adiantar: Lost não está incluso na minha lista. Primeiro porque eu não acompanho Lost e segundo porque não tem nem graça escrever sobre Lost depois da publicação de 9873298473298 edições especiais sobre isso em várias revistas.

Eu não posso deixar de dar os créditos para alguns dos sites que alimentam meu vício:

– O primeiro deles é… uTorrent, é claro. São aqueles arquivos do ícone verde que me deixam feliz toda semana.

– O segundo é… Filmes Com Legenda! O melhor e mais atualizado blog de filmes e seriados que existe. Eu já doei 10 reais para ajudar os caras a manterem o servidor no ar. Não vivo sem o FCL. Eu baixo minhas séries e elas já vem organizadinhas com as legendas certas, tudo no capricho. Não tem como não recomendar.

– Quando não aguento esperar sair algo no FCL (coisa rara), baixo no isoHunt e procuro freneticamente as legendas corretas no melhor site que existe pra isso… o Legendas.TV! Esse é famoso, hein.

– E agora, tchan tchan tchan… essa incrível rede social mágica e poderosa feita especialmente para viciados em séries: Orangotag! Gente, isso é LINDO!

No Orangotag você pode organizar suas séries, ir marcando os episódios que já viu para não se perder (algo que acontecia muito comigo, tendo em vista que assisto todas essas séries listadas abaixo ao mesmo tempo), conhecer pessoas que tem o mesmo gosto que você, comentar e avaliar cada episódio e cada série e ler a opinião de outros viciados sobre os personagens e as tramas (que palavra cafona), entre outras coisas. Cadastrem-se no Orangotag, é imprescindível. Meu username lá é beatrizmorgado, se alguém quiser fuçar nos meus viciozinhos.

Pronto, agora vou começar:

  • Everybody Hates Chris (significa: Todo Mundo Odeia o Chris. Coitado do Chris)

Dos seriados mais antigos de comédia, Everybody Hates Chris é, sem dúvida um dos meus favoritos.

Passa de vez em quando na Record nos poucos minutos do meu dia que tenho para assistir à televisão aberta. É quando chego do trabalho e sento para comer alguma coisa enquanto faço hora para ir à faculdade.

Breve resumo: o seriado conta a história da infância do Chris Rock, um americano “multicoisas”: ator, comediante, produtor e narrador (e ele é tudo isso na série também!) A família do Chris é uma bagunça, mas muito divertida. As sacadas são muito boas e tenho certeza que seriam bem melhor se eu assistisse o seriado legendado. Como só assisto na Record, me contento com o dublado mesmo… E que não é tão ruim, dou muita risada. Acho que é aí é que tá o charme.

Também é uma das únicas séries que consigo assistir os episódios fora da sequência! Tenho transtorno obsessivo compulsivo com isso, é demais pra mim.

Episódio memorável: Quando o pai de Chris, Jullius, junta alguns cupons de jornal e leva sua esposa para jantar num restaurante chique da cidade, porém, os cupons só servem para alguns pratos (os piores, é claro) e ela fica decepcionada! Contando assim não tem tanta graça, mas podem assistir que é DEMAIS.

  • House M.D (sifnifica: Divisão Médica da Casa, hehehe. Trocadilho infame com o sobrenome do Dr. House. Na verdade, é Divisão Médica do House – e sua equipe também, no caso)

House é o seriado do momento. Ou era, sei lá. Só sei que comecei a assistir quando meu tio me trouxe um HD externo com todos os episódios das 3 primeiras temporadas. Assisti sem compromisso algum, pois nunca senti vontade de ver seriado com esses cases médicos, peguei trauma de Scrubs. Sim, eu odeio Scrubs… acho chato.

Aí viciei em House! Quem não vicia, né?

Não são os cases médicos que viciam, mas a personalidade do Dr. Gregory House! Pra mim, o modo dele de encarar as coisas, de lidar com a dor da perna e seu vício em Vicodin, com o amor bizarro que sente pela Dra. Cuddy, com a amizade do Wilson e obsessão em se meter na vida de todos que o rodeiam é intrigante, principalmente do Foreman, Chase, Cameron, ‘13‘ e Taub.

A frase memorável do seriado (que já vi até camiseta vendendo por aí) é “Everybody Lies” (todo mundo mente). E todo episódio tem um porquê de esse ser praticamente um segundo slogan para a série.

House é freak, é hilário, é bizarro, é viciante. Não tem como não recomendar essa série! Ah, vale muito a pena pela trilha sonora também! Começando por Massive Attack, passando por Van Halen, Lynyrd Skynyrd e até Dave Matthews Band.

É verdade que a próxima temporada (sétima) será a última? Se sim, sentirei saudade. Muita!

  • Pretty Little Liars (significa: Pequenas Mentirosas Bonitas… tradução tosca, eu sei)

É uma série teenager que tá fazendo muito sucesso. Ainda está no 8º episódio da primeira temporada. Baixei por acaso no Filmes com Legenda, comecei a assistir sem esperar nada e… amei.

Não vou recomendar pra todo mundo porque é muito coisa de menininha adolescente mesmo, mas eu adoro!

É uma série de mistério que acontece em uma escola típica americana. 5 meninas populares e lindas, uma desaparece e as outras mantêm segredos sobre o desaparecimento dessa uma, que era a “abelha-rainha” da escola.

Aí, as outras meninas passam a receber mensagens no celular, no e-mail e até recados escritos no espelho com segredos que só a Alison, a menina desaparecida, sabia. É tudo meio confuso, mas o final de cada episódio é intrigante e não tem como não viciar.

Ah, depois do desaparecimento da Alison, as outras 4 meninas de afastaram e mudaram muito. Quando o assunto veio à tona, foram praticamente obrigadas a se unir novamente para manter um segredo bem escondido.

E vale a pena pelo Mr. Fitz também. Quem assiste, sabe. Uhul.

CONTINUA ;)